Jabá do Bem

Que mulheres também podem ser samurais [A Samurai]

Que mulheres também podem ser samurais [A Samurai]
Para lutar pelo sonho de encontrar sua família a gueixa Michiko treina para se tornar uma grande samurai

Na HQ A Samurai, nos deparamos com uma mulher guerreira – personagem muito comum em várias histórias em quadrinhos, séries, livros e jogos. E, de fato, elas existiram: chamavam-se Onna-bugeisha.

No entanto, quando levamos em conta que o auge dos samurais no Japão foi no Período Edo (1603 e 1868), nossa crença na existência de samurais mulheres pode ser abalada.

O Bushido, caminho do guerreiro, sofreu grande influência da filosofia do Neo Confucionismo. Nesse contexto, o papel da mulher foi diminuído a cuidar da prole e os casamentos arranjados passaram a vigorar no país.

Que mulheres também podem ser samurais [A Samurai]Mas, antes disso, existiram as Onna-bugeisa

As Onna-bugeisha foram guerreiras que lutavam ao lado dos samurais e pertenciam à mesma casta que eles. Eram treinadas para proteger suas famílias, aos seus senhores e sua honra em tempos de guerra. Normalmente aprendiam a lutar com facas e lanças (naginata) ao invés de espadas (katana).

Nomes de mulheres samurai aparecem desde a mais antiga história japonesa. Elas tiveram grande representatividade até o final do século XVI, antes da chegada do Período Edo.

Mulheres samurai

Sei que a ideia de mulheres guerreiras do passado muito nos agrada, mas os registros históricos parecem um pouco confusos. No geral, percebemos que em todas as culturas, as guerreiras foram minoria dentro da sociedade.

Para retratar uma mulher samurai com mais fidelidade, uma boa saída seria tirá-la do Período Edo e ambientá-la pelo menos 500 anos antes, no Período Kamakura. No entanto, o afastamento temporal da época de ouro dos samurais poderia causar menos interesse nos leitores.

Que mulheres também podem ser samurais [A Samurai]Um pouco de história da história

Quando comecei a escrever  roteiro para a HQ, só queria que minha personagem fosse uma guerreira forte e destemida. Assim, juntei meu desejo ao conhecimento que tenho sobre cultura japonesa e dei vida à história.

Em pouco tempo de pesquisa, li sobre as onna-bugeisha e achei que tinha acertado na mão: afinal, mesmo que tivessem existido mulheres guerreiras, elas foram impedidas de viver toda a glória dos samurais.

Historicamente, muitas vezes as mulheres tiveram que batalhar escondidas para atingir seus objetivos. Por isso, quando alguma leitora ou leitor se encanta com Michiko, A Samurai, me convenço que consegui trazer à luz um pedacinho da luta feminina.

Se você ficou interessado na HQ, visite o site do projeto e também minha loja virtual.

Descubra outras curiosidades sobre A Samurai

Leia mais curiosidades sobre HQs

Marcadores

Mylle Silva

Vive de inventar e investigar histórias. Publicou o livro de contos A Sala de Banho (2014) e as HQs A Samurai (2015), A Samurai: Yorimichi (2016) e A Samurai: Primeira Batalha (2017). Ministra aulas de Escrita Criativa, mantém o site Oficina de Escrita e acredita que todos podem ser melhores leitores e escritores.

Deixe o seu comentário

Clique aqui para comentar

Conta aí o que você achou do post!

Newsletter & Teorias da Conspiração

Chega de perder tempo com redes sociais! Segue a gente aqui no tête-à-tête eletrônico da pós-pós-modernidade!